Sexta-feira, 2 de Abril de 2010

Aventura nos Caminhos de Montemuro - PR01 Arouca

Apenas os vagabundos Paulo, Luís e Hélder estavam disponíveis para alinhar na tradicional caminhada de Sexta-feira Santa. Às 7:40h, juntaram-se rumo a Arouca, onde após o tradicional pingo, se dirigiram ao Santuário da Sra. do Monte, local onde se inicia este percurso. Eram 9:15h quando começaram a caminhar.

 

Esta é uma rota circular, com uma extensão de 19 quilómetros. Ao fim do primeiro quilómetro há uma bifurcação, no Fojo, pelo que se pode escolher fazer a parte circular começando por Bustelo ou pelo Alto do Coto. Por esta altura, estamos a uma cota de 829 metros e pela nossa frente, encontrava-se uma subida até aos 1222 m, com um declive muito acentuado. Pena que o tempo estivesse um pouco nublado, pois a paisagem para lá da névoa parecia ser deslumbrante. Era pelo menos essa a nossa ideia quando clareava um pouco, o que acontecia cada vez menos, à medida que subíamos. Face à dureza do declive, fomos perdendo um bocado da energia inicial, mas continuamos a avançar a um ritmo impressionante. Quando chegamos ao parque das eólicas, começou uma chuva, que inicialmente pensamos ser apenas uma pequeno ameaço, mas a verdade é que ao fim de dois ou três minutos em que prometia não abrandar, optamos por vestir os impermeáveis. Mais um pouco para cima e eis que chegamos ao marco geodésico. Finalmente, o Luís ficou a saber o que isso é. Pena que o Vítor não estivesse também presente. Teria sido uma excelente lição a dois!

 

O plano inicial passava por almoçar neste ponto, mas a forte chuva e o vento extremamente forte que se fazia sentir impossibilitou que o fizéssemos. Olhando à volta, parecia que estávamos no meio de uma tempestade, daquelas que só se vêem na televisão. Chuva, vento, nevoeiro…

 

Desta forma, começamos a descer, com a esperança que a chuva abrandasse e pudéssemos então merendar em melhores condições. A descida revelou-se uma enorme e divertida aventura. Efectuada por caminho de pé-posto, em virtude da chuva e do denso nevoeiro, praticamente só nos podíamos arriscar a sair de uma marca se estivéssemos a avistar a seguinte. Caso contrário, arriscávamo-nos a sair completamente do trilho. Houve uma ou outra ocasião em que tal não foi possível e tivemos que pesquisar o terreno envolvente. Tal tarefa revelava-se no entanto difícil e até mesmo perigosa. Se qualquer tipo de exagero, podemos dizer que depois de 5 passos dados em direcções opostas, já não nos conseguíamos ver uns aos outros. Era incrível e foi uma verdadeira aventura, que na verdade não desagradou a ninguém. Foi muito divertido fazer esta descida e a adrenalina foi subindo. No entanto, à medida que fomos descendo, foi-se tornando mais fácil seguir o trilho e paralelamente as condições meteorológicas foram melhorando, baixando em muito o índice de imprevisibilidade.

 

Depois de termos descido “tudo”, aproveitamos que já não chovia e optamos por almoçar perto do rio. Depois, voltamos ao caminho e só voltamos a parar para tomarmos um café numa aldeia.

 

Fomos seguindo o nosso caminho sem que a chuva nos atormentasse muito mais, até voltarmos ao ponto de onde tínhamos saído. Foi uma aventura muito porreira.

publicado por vagabundos às 08:27
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Camino Primitivo de Santi...

. Caminho Primitivo - feito...

. Aventura na Linha do Sabo...

. Aventura nos Caminhos de ...

. Aventura no Trilho do Cas...

. Aventura na Linha do Sabo...

. Aventura na linha do Sabo...

. teste

.arquivos

. Agosto 2012

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Novembro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds